ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Transfolha - Dia dos Pais

 

Categorias

 

Fretebras

 

Laguna

 

Landing Easydoc

 



Logística em todo o Brasil tem grande lacuna de R$ 660 bilhões

Publicado em 14/11/2014

Para o empresário Jorge Gerdau, desafio da competitividade não se vence com mais impostos e sim com a melhoria da gestão pública

O Brasil precisaria de pouco mais de R$ 660 bilhões em investimentos para apagar a lacuna da falta de eficiência logística no País, mas o Ministério dos Transportes dispõe de apenas R$ 8,5 bilhões. Para fechar essa conta, o empresário e presidente da Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade (CGDC), vinculada à Presidência da República, Jorge Gerdau, não vê outra alternativa senão a melhoria da competência gerencial no setor público, que, para ele, ainda não evoluiu.

“Pode um país querer competir no mundo sem ter competência gerencial? A saída não está em aumentar a carga tributária. É o retorno dela. É preciso que os 40% do Produto Interno Bruto (PIB), administrados pelo governo, sigam um processo de competência gerencial, por meio dos princípios da governança”, completa Gerdau.

Presidente fundador do Movimento Brasil Competitivo e há três anos e meio na CGDC, Gerdau fez críticas à incapacidade do governo de atrelar as políticas macroeconômicas ao estabelecimento de metas e estratégias de competitividade, que levem em consideração a avaliação, o direcionamento de ações e o monitoramento dos projetos, bem como a transparência e a prestação de contas à sociedade como um todo.

“O processo de governança no setor púbico não evolui, porque não existe um medo da morte, da extinção, como nas empresas privadas”, criticou o empresário.

Para Gerdau, a grande preocupação em se construir uma dignidade social no País, por meio de ações de erradicação da pobreza, deveria estar atrelada ao que chama de “paranoia do crescimento econômico”. “Só se responde às aspirações da população por educação, saúde, mobilidade urbana, segurança e logística, por meio do crescimento econômico. Um país não pode ter fome, mas é preciso que haja crescimento econômico, caso contrário, não conseguiremos responder ao clamor das ruas.”

Presidente do Sistema Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira avalia que sociedade e empresários devem se mobilizar, a fim de melhorar a  atual estrutura da administração pública. “O governo também precisa ter o mesmo medo da morte que os empresários têm. Enquanto empresários, figuras não políticas e apartidárias, nós temos a missão de mostrar quão difícil é a gerência de uma empresa no Brasil e como as empresas são importantes para a geração de riqueza e trabalho no País. O governo desperdiça parte importante dessa riqueza em deficiência pública e não cria emprego.”

Fonte: Brasil Econômico

 

Veja também: