03/04/2012

Logística reversa na TGestiona: o papel das empresas junto ao meio ambiente

Entrevista com Abigail Furlanetto Odoni, Gerente de Logística da TGestiona

Com 10 anos de experiência, o operador logístico TGestiona chegou a dois pontos de maturidade em seus fluxos: o do grande percentual de reutilização dos produtos e da otimização de tempo. Falando somente de um equipamento, a empresa consegue demonstrar aos seus clientes que 55% de todos os produtos que retornavam de sua distribuição eram reutilizáveis e que isso totalizava 50% a menos do investimento de um aparelho novo.

Além disso, fazendo o percurso de ida e volta regularmente, a TGestiona reduz o tempo e custos das viagens, seguindo na mesma direção a logística da entrega com o retorno dos produtos. Hoje o operador tem uma operação que alinha redução de custos e tempo e as questões sustentáveis. Para tal efetividade, acrescenta-se também os novos processos de coleta que vai desde o agendamento da retirada do produto com o consumidor, a adequação de um roteiro de percurso efetivo e uma triagem qualificada.

Abigail Furlanetto Odoni , gerente de Logística, responsável pelo processo de Reversa na Tgestiona conversa com a Mundo Logística e comenta mais sobre logística reversa e a recém-assinada pelo governo do estado de São Paulo, Política Nacional de Resíduos Sólidos:


Abigail F Odoni, Gerente de Logística

 

Com a sanção presidencial da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), forçou-se uma mudança na atuação das empresas brasileiras no que diz respeito à responsabilidade pelos resíduos sólidos, provocando a organização de uma logística reversa para aqueles que não a tinham estruturada. Na sua opinião/ experiência, o que de fato já mudou entre as empresas brasileiras com essa nova Política?
Abigail F. Odoni: O que de fato mudou, até este momento, é que as empresas começaram a se mobilizar para encontrarem um caminho que atenda a nova política, movimento que, até então, era praticado apenas de forma bastante isolada. Por consequência dessas ações, esperamos que sejam minimizados os danos ao meio ambiente provocados pela assustadora quantidade de lixo eletrônico e embalagens descartadas sem nenhum tipo de tratativa ou preocupação.

Creio que a maioria das empresas ainda está buscando um modelo de logística que atenda suas necessidades e à nova política. Vejo que o primeiro passo é a construção de parcerias com empresas que já estão na frente em conhecimento e prática de logística reversa.

A TGestiona é um operador logístico. De que maneira essa Política afeta a empresa e seus clientes? Qual papel que a TGestiona ou qualquer operador logístico poderá desempenhar a partir dela?
Abigail F. Odoni: Para a TGestiona, a Política vem ao encontro do que já tem sido praticado desde 2006, quando deu-se inicio às operações focadas no processo de reversa. Acredita-se que agora surgirão boas oportunidades de disseminar a prática já aplicada aos clientes da TGestiona, afim de criar a cultura em outras empresas, de realizar um aproveitamento sustentável de resíduos que, quando bem coletados, triados e tratados, podem voltar a mercado em perfeitas condições, contribuindo para o Meio Ambiente (uma vez que aquele resíduo não será jogado na natureza) e também para os resultados financeiros da organização (um produto que passou pela logística reversa chega a custar para a empresa até 70% menos do que um produto novo).

Desde 2010, após forte crescimento interno do processo de logística reversa, a TGestiona já tem em seu portfólio, o serviço sendo oferecido ao mercado. Além do que, possui o Centro de Logística Reversa que ocupa 8.000 m² de um dos Centros de Distribuição, localizado em São Paulo .

Apesar do Termo de Compromisso Setoriais de Resíduos Sólidos ter sido assinada pelo estado de SP, há chances de ser adotada efetivamente por outros estados/ empresas?
Abigail F. Odoni: Hoje, cerca de 18% dos munícipios brasileiros já possuem coleta seletiva. Esse número pode ser considerado tímido, mas já denota um primeiro passo dado na direção de ampliar o Termo de Compromisso para todo o Brasil. Acredita-se ainda, que o termo de compromisso pode sim ser adotado em todo o país, pois além do impacto positivo causado no meio ambiente, ainda está intimamente ligado ao desenvolvimento econômico local, gerando trabalho e, consequentemente, aumentando a renda do cidadão. Para um país emergente como o nosso, toda e qualquer mudança que impacte nas classes C e D de forma positiva, é sempre muito bem vinda, uma vez que essas classes movimentam juntas, cerca de R$ 830 bilhões, segundo levantamento feito pelo Instituto Data Popular. Essa movimentação garante um país com menos desigualdade social e crescimento progressivo do PIB.

Com a estruturação da logística reversa pelas empresas para atender a essa Política com a atual estrutura logística nacional, que efeitos/ ações você acredita que teríamos na cadeia logística?
Abigail F. Odoni: Entrega e coleta de produtos têm características diferentes, com tempos, custos e dificuldades diferentes. Desta forma, a estrutura logística atual terá que se adaptar a uma nova realidade , a partir do momento que o mercado estiver conscientizado e pronto ao atendimento da nova lei. Os custos da logística reversa terão que ser muito bem estudados para que os preços dos produtos finais aos consumidores não aumentem em decorrência da nova exigência. Por outro lado, com certeza, teremos um mundo melhor para nossos filhos e netos.

Por favor, comente alguns casos em que a TGestiona já aplica com sucesso esta Política para ou em conjunto com seus clientes
Abigail F. Odoni: As operações de Logística Reversa na TGestiona iniciaram em 2006, com a prestação de serviços ao Grupo Telefônica. No inicio eram 7.000 equipamentos trabalhados por mês entre modens, equipamentos de dados, de TV, de voz, microcomputadores, celulares e cartões telefônicos. Hoje são 120.000. Esse pioneirismo tornou a TGestiona referência no assunto “Logística Reversa”. Além do ganho financeiro, a TGestiona passou a ser reconhecida também como uma empresa que tem respeito a sociedade e ao meio ambiente.

Resultados do case Tgestiona-Telefonica:
• A Logística Reversa da TGestiona já gerou economia de milhões para o cliente Telefônica | Vivo, com aparelhos retornados em perfeito funcionamento (Redução do CAPEX);

• São 120 mil equipamentos trabalhados por mês na logística reversa;

• 80% dos equipamentos trabalhados são reaproveitados, após triagem e reparos. Os outros 20% seguem para reciclagem;

• Hoje, o custo dos equipamentos retornados representam até 70% menos que um equipamento novo.

 

Voltar