Entrevista com o CCO da Damco, Roberto Campos, sobre logística inteligente no Brasil
Data: 14/10/2014

Roberto Campos

Damco: vencendo os desafios brasileiros com logística inteligente
Com crescimento de 30% no volume de negócios no Brasil, empresa pretende investir mais no País e expandir a sua atuação

Por Viviane Farias | Redação MundoLogística

Fornecedora de serviços de logística no mundo, a Damco se tornou independente do Grupo Maersk, em 2009, obtendo uma estrutura global específica. Atualmente, possui 11.400 colaboradores, espalhados em mais de 300 escritórios, com presença global em cerca de 100 países.

A Damco oferece serviços de frete internacional aéreo e marítimo, importação e exportação, Supply Chain Management e Development, armazenagem e distribuição, e de valor agregado, que é o desembaraço aduaneiro, com consultoria.

Em 2013, a empresa teve um volume de negócios líquido global de US$ 3,2 bilhões e angariou 2,8 milhões de TEU em frete marítimo e volumes em Supply Chain Management, transportando, ainda, por via área, mais de 225 mil toneladas.

Para falar a respeito das metas da empresa, investimentos no Brasil e logística inteligente, a MundoLogística entrevistou o managing director e chief commercial officer (CCO) da Damco, Roberto Campos.

MUNDOLOGÍSTICA: Quais as metas da Damco?
ROBERTO CAMPOS: As metas da empresa são de crescimento. Este ano, estamos crescendo 30% no volume de negócios no Brasil e, para o ano que vem, temos a meta de crescimento de 20% nos volumes, com mais foco no serviço de armazenagem, distribuição e fretes aéreo e marítimo.

Como a Damco pretende investir no Brasil?
Os ativos da Damco são os colaboradores que trabalham no grupo. Sempre mantemos um investimento muito grande em melhoria de processos de sistemas e na área comercial. Para o próximo ano, o investimento será aumentar o quadro de vendedores no Brasil, com abrangência um pouco maior do que temos atualmente.

Quais os resultados que a empresa busca alcançar com esse investimento?
Pretendemos ser muito mais fortes nos produtos aéreos e marítimos, e de armazenagem e distribuição, obtendo mais market share. A empresa tem um armazém, hoje, em Itajaí, Santa Catarina, no qual faz todo esse serviço, e a ideia é expandir esses produtos para outras regiões do País. O objetivo, também, é nacionalizar ou trazer para o Brasil contas globais, que a Damco já presta serviço ao redor do mundo. Então, isso estaria dentro dos planos de ação da empresa para os próximos meses e anos.

Quais os desafios logísticos que o Brasil apresenta?
Os desafios são comuns a todos. O problema que todos enfrentam é a burocracia e a falta de estrutura logística. Porém, existe um diferencial muito grande, pois a nossa equipe é extremamente competente e conhece muito as alternativas logísticas com relação ao aspecto burocrático, prestando um serviço diferenciado e com mais qualidade para os nossos clientes.

Como a Damco pretende vencer esses desafios?
Nós investimos muito em nossos funcionários, em treinamentos e melhoria de processos. O outro foco é a qualidade técnica de cada um. Os desafios estão aí para todos e cada um precisa saber como suplantá-los, prestando um serviço de qualidade. Hoje, os nossos clientes nos dão uma avaliação muito positiva em relação à qualidade dos serviços, por meio de pesquisas trimestrais, e o Brasil é um dos países com maior nível de avaliação para o grupo.

Como a Damco busca realizar uma logística inteligente no Brasil?
Basicamente, nós temos uma área de business improvement, com pessoal local e global, que visa buscar alternativas no que existe de oferta nos processos logísticos, sejam rodoviários, aéreos, marítimos ou de serviços, como despacho aduaneiro. O que nós fazemos é trazer ferramentas e soluções adaptáveis ou que se adaptem a essas realidades, no Brasil. Isso está alinhado fortemente às nossas soluções sistêmicas, uma vez que temos um sistema online, chamado My Damco, no qual os nossos clientes podem fazer o acompanhamento de seus embarques ou das cargas. É um sistema flexível às necessidades de cada cliente. Por meio dos especialistas, sempre buscamos uma solução específica para cada caso.

Qual o diferencial da Damco para a economia brasileira e ao setor que atua no Brasil?
O grande diferencial, que pregamos no nosso dia a dia, é que queremos ser a empresa de logística mais recomendada pelos nossos clientes. Isso já proporciona um grande diferencial, porque sempre buscamos prestar um serviço com a maior qualidade possível aos nossos clientes. Melhorando a qualidade logística de serviço para os clientes, obviamente estaremos melhorando, também, o mercado de forma geral. Outro fator importante é em relação ao nosso foco, que é o meio ambiente. O nosso sistema tem um mecanismo de medição de emissão de carbono, o qual busca dar visibilidade e transparência em quão danoso está sendo o transporte para o meio ambiente. Com isso, podemos tomar medidas preventivas para reduzir a emissão de carbono.

De que maneira a Damco almeja incrementar as suas receitas?
Investindo nos produtos da empresa, que são os fretes aéreo e marítimo, na armazenagem e distribuição e, principalmente, alavancando e trazendo contas globais ao Brasil, prestando serviços no País, que, hoje, nós já fazemos em várias partes do mundo.





Voltar