ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Transfolha

 




Investimentos em terminais privados aquecem setor portuário

Publicado em 02/02/2016

Governo Federal autorizou concessões para a construção de três Terminais de Uso Privado, no início do ano. Perspectiva da Secretaria de Portos é publicar outros 21 editais neste primeiro semestre

O setor portuário brasileiro começou 2016 com mais de R$ 2 bilhões em concessões para investimentos privados liberados ainda nos primeiros dias do ano, segundo divulgado pela Secretaria de Portos (SEP). O aporte, feito por grupos empresariais interessados na construção de terminais de uso privado em pontos estratégicos do País, é importante para manter aquecido o setor, que ainda carece de estrutura para gerar ganhos de eficiência e reduzir custos com a importação e exportação. Além dos investimentos anunciados em janeiro de 2016, a Secretaria de Portos planeja publicar outros 21 editais para arrendamentos, neste primeiro semestre.

O Estado do Maranhão foi o primeiro a receber a autorização do governo para que a WPR São Luís Gestão de Portos e Terminais, do grupo WTorre, possa investir R$ 780 milhões na construção do quarto Terminal de Uso Privado do Estado. Além deste, estão previstos outros investimentos na Bahia e no Espírito Santo. A Bahia Terminais investirá R$ 850 milhões na área portuária de Candeias, Bahia, e a Nutripetro, empresa especializada em gestão portuária, comércio marítimo e soluções logísticas integradas de grande porte, R$ 279 milhões em Aracruz, Espírito Santo. Segundo a Secretaria de Portos, apenas o investimento em São Luís incrementará a movimentação de cargas em 24 milhões de toneladas, garantindo competitividade e ampliando a oferta para o escoamento da produção brasileira.

Evento do setor
Para o executivo, Ricardo Barbosa, gerente da InfraPortos South America, única feira na América do Sul dedicada à tecnologia e equipamentos para armazéns, terminais e portos, os investimentos chegam em boa hora, visto que aquecerão a demanda por equipamentos e serviços para a operação portuária, além de fomentar a geração de empregos. “Os setores portuários e de infraestrutura logística vêm na contramão da recessão, que atinge grande parte dos setores produtivos. Em 2015, foi o único setor a receber repasses de investimentos federais e já no início deste ano recebe mais aportes.”

Com um leque de expositores que abrange a totalidade das operações portuárias, a InfraPortos South America 2016 reunirá, de 5 a 7 de abril, em São Paulo, mais de 60 empresas do setor, para fomentar a realização de negócios e discutir a perspectiva da operação portuária, frente ao desafio do ganho de eficiência operacional.

Representantes de empresas especializadas em intralogística em armazéns, equipamentos portuários, soluções em movimentação de cargas e em Tecnologia da Informação, sistemas de monitoramento, segurança e controle, treinamento, além de apoio portuário estarão presentes neste evento, que está indo para a sua terceira edição e acontecerá paralelamente a Intermodal South America, no Transamérica Expo Center.

“É perceptível o aumento da procura por soluções mais eficientes para a operação portuária e, assim, a InfraPortos ganha papel estratégico para as empresas que atuam nesse setor. Este ano, as principais empresas fornecedoras de equipamentos e serviços para a gestão portuária e armazenamento de carga, nos Portos brasileiros e, por acontecer simultaneamente à Intermodal South America, visitantes e expositores beneficiam-se da sinergia de assuntos e podem encontrar, em um único local, todos os contatos necessários para o andamento de seus negócios”, explica Barbosa.

Ambiente regulatório
Os investimentos privados também serão tema do seminário que acontece durante o evento. Os desafios jurídicos e regulatórios do setor serão discutidos por representantes do setor e empresários no dia 6 de abril.

Tópicos como excesso de regulação, constantes mudanças das regras, burocracia, assimetrias, sobreposição das entidades públicas, novos termos contratuais, modelagem de novas concessões, definição das poligonais e renovação, e prorrogações antecipadas estarão em pauta durante o encontro.

 

Veja também: