ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Workshop Logística Tributária e Fiscal

 

Assine Noticia


Fibria investe R$ 54,4 milhões no transporte marítimo de madeira

Projeto irá gerar 145 empregos temporários no ES e BA, além de tornar as operações mais sustentáveis e produtivas

A Fibria, empresa de base florestal e maior produtor mundial de celulose de eucalipto, investiu R$ 54,4 milhões na modernização do transporte marítimo de madeira, realizado entre o sul da Bahia e o norte do Espírito Santo. As obras, que foram iniciadas em dezembro passado, geram 145 empregos temporários e têm o início da primeira fase previsto para o mês de maio. A segunda e última fase deve começar no mês de agosto de 2017.

A modernização consiste na instalação de guindastes de grande porte no Terminal Marítimo de Caravelas (BA), onde a madeira é embarcada, e no Terminal Marítimo de Barra do Riacho (ES), onde é feito o desembarque. São equipamentos com tecnologia de vanguarda, fabricados na Finlândia, que garantirão operações mais seguras e sustentáveis, mais produtivas e com mais conforto ergonômico para os operadores. A madeira, proveniente de florestas plantadas de eucalipto e com certificados internacionais de manejo florestal, irá abastecer a unidade industrial da Fibria em Aracruz (ES).

“Com essas máquinas, vamos reduzir em 42% o tempo de carga e descarga das barcaças que transportam madeira”, disse Luiz Geraldo Micheletti Goessler, gerente de Logística Florestal da Fibria. Atualmente, o ciclo de viagem da barcaça que transporta madeira entre o Terminal de Caravelas (BA) e o de Barra do Riacho (ES) é de 12 horas.

Goessler destaca os ganhos em segurança no transporte e os benefícios ambientais, com menor emissão de CO2, menor uso de combustível derivado do petróleo e redução no consumo de pneus. Cada barcaça que atua no sistema de transporte marítimo de madeira da Fibria (quatro no total) comporta carga equivalente a 100 viagens de carreta do tipo tritrem.

O gerente geral florestal da Fibria, Carlos Alberto Nassur, destaca que a modernização do transporte marítimo contribui para a estratégia da Fibria de dar mais equilíbrio à sua matriz de transportes. A cabotagem marítima de madeira, iniciada pela empresa como alternativa de transporte há mais de 10 anos, foi uma inovação numa época em que o sistema praticamente não era utilizado no País. “O Brasil ainda concentra no modal rodoviário boa parte do transporte das cargas que circulam por aqui, mas a Fibria vem contribuindo para dar mais equilíbrio a essa equação”, observa Nassur.

Destaques do projeto
Dos R$ 54,4 milhões investidos na modernização dos dois terminais marítimos, R$ 31,3 milhões são para obras civis e R$ 23,1 milhões nas novas máquinas portuárias (quatro guindastes: dois para o Terminal de Caravelas e dois para o de Barra do Riacho). Eles substituirão a operação de seis máquinas carregadeiras que atualmente fazem a movimentação de madeira nas barcaças. Em maio de 2017 entram em operação os dois primeiros guindastes – um em Barra do Riacho e outro em Caravelas. No mês de agosto de 2017 entram os outros dois. 

Os equipamentos que vão operar em Barra do Riacho serão movidos à eletricidade, produzida na própria unidade industrial da Fibria (autossuficiente em geração de energia). A empresa está investindo em linhas de transmissão ligando sua fábrica ao Portocel, onde está instalado o Terminal de Barcaças. A alternativa vai representar economia em combustíveis, além de contribuir para a redução da emissão de CO2, o que está em linha com os princípios de sustentabilidade da Fibria.

Geração de empregos
O processo de recrutamento dos trabalhadores mobilizados para o projeto, tanto no Espírito Santo quanto no sul da Bahia, vem sendo feito por intermédio do Sistema Nacional de Empregos (Sine Teixeira de Freitas-BA e Sine Aracruz-ES). São 145 empregos temporários (75 em Caravelas-BA e 70 em Barra do Riacho-ES).

Para a fase de operação, a Fibria vai contratar profissionais que passarão por treinamento envolvendo o fabricante do equipamento, a empresa finlandesa Mantsinem. O fabricante trará um simulador do equipamento para o Brasil a fim de treinar os operadores.

 

Veja também: