ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Transfolha

 

Entrevista com o diretor-presidente da Águia Sistemas, Rogério Scheffer, sobre as inovações tecnológicas da empresa

Águia Sistemas aumenta o nível de sua capacidade técnica e produtividade, com inovações tecnológicas
Empresa reinaugura a sua planta fabril, em localização estratégica, e lança tecnologias e sistemas exclusivos ao mercado

Por Viviane Farias | Redação MundoLogística

Especializada no projeto de sistemas de movimentação e armazenagem de materiais para os segmentos industrial e de logística, parte da holding Águia Participações, a Águia Sistemas é uma empresa 100% nacional, fundada em 1973, e ocupa o nicho de 35% de seu segmento, atuando em território nacional e na América do Sul.

Visando modernizar a sua planta fabril, em Ponta Grossa, Paraná, com investimentos de cerca de R$ 25 milhões, a empresa ampliou a área total de seu complexo para 25 mil m², com o foco no Departamento de Automação, cuja área é reservada ao desenvolvimento, pesquisas e fabricação dos transportadores automáticos, e que passou a incluir um show room completo de produtos e inovações.

Com relação às inovações, a Águia Sistemas trouxe ao mercado, com exclusividade, a tecnologia Pulse Roller, que é uma marca global para rolos acionados de baixa tensão e proporciona uma lógica simples de funcionamento. O outro lançamento, desenvolvido pela empresa, é o Sistema Dinâmico Horizontal Acionado, que visa aumentar a densidade de armazenagem em centros de distribuição.

Em entrevista à Revista MundoLogística, o diretor-presidente da Águia Sistemas, Rogério Scheffer, explica as funcionalidades e benefícios da tecnologia Pulse Roller e do Sistema Dinâmico Horizontal Acionado, e fala sobre as inovações tecnológicas e as mudanças na infraestrutura da planta fabril da empresa.

MUNDOLOGÍSTICA: A Águia Sistemas investiu R$ 25 milhões para modernizar a sua planta fabril em Ponta Grossa, no Paraná. Com essas mudanças, a capacidade anual da produção chegará a cerca de 60 mil toneladas. Todos os objetivos da empresa, com esse aporte, foram alcançados? Quais foram eles?
ROGÉRIO SCHEFFER: Estamos seguindo o planejamento estratégico, feito há três anos. Com esse investimento, chegamos à conclusão da etapa correspondente à adequação da linha de produção, para seguir com os próximos passos. Os objetivos que estamos atingindo são a ampliação da produção, a qualidade, a segurança e a produtividade.

Quais foram os benefícios que a nova planta proporcionou à Águia?
Os benefícios estão focados na automação do início do processo industrial com os parâmetros de qualidade exigidos nos processos seguintes, como a robotização, os processos de estampagem e perfilação contínuos, as puncionadeiras, o corte a laser e o centro de dobras. Sem esse investimento, estaríamos limitados à aplicação de certas tecnologias do processo produtivo, que exigem muita precisão e planicidade da matéria-prima (aço).

Para o cliente, no que essas mudanças resultarão?
Muito mais qualidade, capacidade de adaptação, customização, agilidade e flexibilidade.

Com a modernização, houve o aumento, também, do nível tecnológico de produção. Como a produtividade, a logística e a segurança foram planejadas nessa planta?
Além da tecnologia aplicada até este momento, estamos aptos a aplicar o que existe de mais atualizado em processos produtivos automatizados. A logística é outro ponto-chave. Para a movimentação de mais de 60 mil tons/ano, é preciso otimizar o espaço e a movimentação, o que está contemplado com êxito total, nesse novo empreendimento. Nosso custo de movimentação é, hoje, muito mais baixo e a eficiência e a segurança muito maiores. 

Este ano, a Águia Sistemas lançou uma tecnologia exclusiva em sua linha de transportadores automáticos, chamada Pulse Roller, em parceria com três empresas. Como funciona essa tecnologia? É uma exclusividade da Águia?
A força motriz dos transportadores deixou de ser um motor de 220 V, com redutor e transmissão por correias, e passou a ser por um motor 24 V. É exclusividade da Águia em toda a América do Sul. A JV permite que passemos a fabricar parte dos Pulse Rollers e montarmos 100% no Brasil, com ganhos de competitividade, prazos e flexibilidade de medidas.

Quais são os ganhos que a tecnologia Pulse Roller oferece às empresas?
Economia de energia, muito mais segurança na operação, redução de ruídos, manutenção muito menor e mais fácil, possibilidade de monitoramento dos parâmetros, para a assistência técnica remota e on time, flexibilidade, estabilidade, entre outros. 

Existem outras exclusividades da Águia em desenvolvimento? O senhor poderia nos revelar pelo menos uma e quando será lançada no mercado?
Uma versão do sistema transportador em espiral, com a função de acúmulo e utilização do Pulse Roller, já está pronta. Temos, portanto, essa solução nacionalizada e adaptada para a nova tecnologia de motores. O acumulador transportador de paletes, com Área de Pressão Zero (ZPA), já será instalado em um projeto no início do próximo ano. Inúmeros outros desenvolvimentos estão sendo feitos em ritmo acelerado pelo setor de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D). Teremos boas novidades, com ganhos importantes para os nossos clientes, no que se refere à movimentação de caixas e paletes. 

Por que a Águia decidiu investir na linha de automação (transportadores), quando o seu forte são as estruturas de estocagem?
Há mais de 10 anos, iniciamos a atividade em automação. Primeiramente, com uma joint venture com a Knapp, com quem estivemos trabalhando por vários anos e assimilamos parte da tecnologia, o que foi extremamente importante, porque se trata de uma empresa de ponta, em todo o mundo, com grande preocupação com a qualidade. Depois, tivemos alguma atividade com a HK System, empresa americana. A alternativa de joint venture com empresas especializadas sempre nos pareceu um método eficiente de aprender rápido e compartilhar experiências. Hoje, além da joint venture com a Kyowa, a Insight e a Industrial Software, temos uma grande experiência prática e uma equipe muito capacitada para seguir na linha do desenvolvimento contínuo de novas tecnologias e aplicações direcionadas à logística, o que é complementado pela nossa experiência no setor de estruturas. Acreditamos que há sinergia das atividades e dos produtos para suprir as necessidades dos clientes, com soluções atualizadas e adequadas aos ganhos de produtividade, competitividade e performance. 

A Águia parará ou reduzirá a fabricação e os projetos em estruturas de armazenagem?
Não. Somos a maior empresa do Brasil em projetos, fabricação e instalação de estruturas de armazenagem. Investimos, recentemente, na ampliação e modernização de nossas linhas de produção. Estamos tecnologicamente preparados para crescer ainda mais a nossa participação no mercado brasileiro e em toda a América do Sul, em estruturas de armazenagem, agora com uma nova geração de perfis de alta performance. 

Outra novidade do portfólio da Águia é o Sistema Dinâmico Horizontal Acionado, que foi desenvolvido a partir da demanda apresentada pelos clientes. Como esse sistema é composto? Já está em aplicação em alguma empresa?
Fechamos o nosso primeiro projeto de acúmulo de paletes, que será instalado no início de 2017. Utilizando a tecnologia Pulse Roller, temos um sistema de acumulação de paletes acionado pela percepção da presença do palete pelo Pulse Roller, sem a necessidade de sensores. Não é preciso a transição da força motriz, com a utilização de correntes, o que reduz drasticamente os custos e viabiliza a Área de Pressão Zero. É um sistema revolucionário, em âmbito mundial, patenteado no Brasil e em vários países da Europa, Ásia e nos Estados Unidos.

Como a tecnologia Pulse Roller auxilia no bom desenvolvimento desse sistema dinâmico? Outros sistemas da Águia receberão o Pulse Roller?
Essa tecnologia viabiliza o sistema sem a utilização de sensores. O sistema percebe a presença do palete e dá o sinal de movimentar. Logo em seguida, passa a informação para a placa controladora, que informa o outro Pulse Roller, para entrar em ação enquanto o Pulse Roller anterior para de funcionar, com a saída do palete, funcionando, assim, sob demanda, com baixíssimo consumo de energia e sem pressionar os paletes, que estão sendo transportados ou armazenados.

Quais as vantagens proporcionadas pelo Sistema Dinâmico Horizontal Acionado, quando em operação em uma empresa?
Redução de espaço, sistema estável, baixo consumo de energia, transporte barato e eficiente, e flexibilidade em relação ao espaço.

Com esses lançamentos, a Águia Sistemas visa reforçar os esforços no desenvolvimento de soluções customizadas aos seus clientes. Quais os projetos futuros da empresa para alcançar esse objetivo?
Fazemos os nossos desenvolvimentos direcionados pelas necessidades dos clientes. Temos uma equipe muito preparada e eficiente, e estamos conseguindo concluir as novas demandas em tempo cada vez mais curto.

Os investimentos e lançamentos que vêm sendo feitos pela Águia estão atrelados à crise que estamos vivenciando? Ou seja, a empresa decidiu fazê-los para sair na frente da concorrência ou visando algum projeto de expansão ainda maior da empresa?
Estamos com a atividade de automação há mais de 10 anos. Identificamos que existe a necessidade de ganhos de eficiência e produtividade, bem como a redução de custos de energia e manutenção. Tudo o que estamos fazendo tem de atender esses requisitos, ou seja, transferir ao cliente ganhos de performance, redução de custos, ganhos de qualidade e competitividade. 

 

Assine Noticia

 

Veja também: