ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Transfolha

 

10 dicas transporte Notícia


Saiba por que (e como) a logística vai determinar o futuro de sua empresa

 

As atividades logísticas podem ser uma verdadeira dor de cabeça para empresas de todos os setores. Por não fazer parte do Core business, a maioria não sabe como ajustá-las, interna e externamente, tornando-a estratégia de marketing e fazendo da logística um diferencial competitivo do negócio.

O que todas as empresa já constataram é que os custos para se fazer logística não são nada baratos. Mas, ainda pior que os custos logísticos, são os estresses causados quando a logística não funciona — perdem-se vendas, reputação e consequentemente clientes.

Com a globalização e a internet as expetativas em torno do serviço logístico ao cliente têm aumentado exponencialmente.

O fast food, compras online, banco pela internet, correio eletrônico, vídeo conferência, rastreamento GPS e troca de mensagens instantâneas, fizeram de nós — consumidores impacientes, mais exigentes e com expectativas de produtos e serviços disponibilizados em prazos mais reduzidos, com qualidade cada vez maior e ao menor preço possível.

Diante disso a gestão eficaz das atividades logística em toda a cadeia de abastecimento torna-se vital para a sobrevivência e crescimento futuro de qualquer empresa.

 

A pergunta que você deve estar se fazendo agora é: como adequar às atividades de gestão logísticas para atender a todas as expectativas dos clientes em todos os estágios da cadeia de abastecimento?

CUSTOS x NÍVEIS DE SERVIÇOS

É vital que os custos sejam os menores possíveis, mas é também essencial que uma empresa tenha ótimos níveis de serviços, ou seja, que tenha padrão de qualidade do serviço e agilidade de reação, mas no custo ideal.

Os níveis de serviços é o que garantirá sua reputação e a satisfação do seu cliente. Por isso é preciso cautela quando focar em redução de custos logísticos, pois uma coisa está ligada a outra — os custos logísticos aumentam proporcionalmente ao nível de serviço oferecido ao cliente.

A obsessão óbvia pela economia nas atividades logísticas levou a uma “marginalização” do conceito redução de custos. Explico: quando as empresas descobriram os custos para se fazer logística iniciou-se uma verdadeira pressão sobre os gestores por redução rápida e drástica nos custos com armazenagem, estoque e transporte (principalmente).

O transporte e manutenção de estoques são as atividades logísticas primárias na absorção de custos. Podendo cada um deles abocanhar até dois terços dos gastos com logística (Ballou ).

Essa pressão pelo enxugamento dos gastos é compreensível e necessária, uma vez que os custos com as atividades logísticas podem chegar a 20% do faturamento total de uma empresa. No entanto a falta de know-how das empresas e gestores, os fizeram focar em redução pela redução, esquecendo-se da qualidade e segurança dos serviços — o que é extremamente nocivo para o negócio.

Equalizar custos e nível de serviço não será tarefa fácil, a empresa precisará conhecer a fundo os processos logísticos que envolvem a cadeia de abastecimento somando esforços com departamentos como: comercial, marketing, finanças, compras, sac., estoque, PCP, demanda, projetos e etc.

Para fazer da logística marketing competitivo é importante decidir bem sobre:

  • O serviço ao cliente: conhecer os desejos e necessidades do seu cliente e estabelecer níveis de serviços;
  • Transporte e distribuição: adotar o modal de transporte ideal, composição e consolidação de fretes, criação de roteiros inteligentes, gestão da frota, seleção de equipamentos, gestão das reclamações, tecnologia embarcada, logística reversa e gestão da conta frete;
  • Manutenção de estoque: política de estocagem de matérias-primas e produto acabado, estratégias just-in-time de empurrar e puxar, previsão de vendas, custo ideal do estoque, variedade de portfólio e etc.;
  • Politica de armazenagem: tamanho e configuração do armazém, localização, leiaute e desenho de docas;
  • Fluxo de informações: interface entre pedidos de compra e estoque, escolha do método de transmissão de informação sobre pedidos, coleta, armazenamento e manipulação de informações: banco de dados para auxiliar em decisões futuras;
  • Compras: seleção de fontes de suprimento, decisão sobre o momento e a quantidade da compra;
  • Processos de manuseio: seleção do modelo da logística interna, equipamentos, procedimentos para separação de pedidos (picking), recuperação de materiais, embalagens e etc.

 

Esses são temas primários e vitais para o sucesso das atividades logísticas. Talvez seja preciso que a empresa busque especialistas que a apoie na gestão, por isso, a terceirização pode ser um caminho possível. No entanto tenha cautela ao escolher...

 

Até a próxima!

Achiles Rodrigues

Achiles Rodrigues

Por Achiles Rodrigues

Achiles Rodrigues Possui mais de 16 anos de atuação em logística, transportes, processos e pessoas. É professor de liderança e criatividade e um entusiasta do mundo digital. É graduado em administração de empresas, Teologia e pós-graduado em MBA Logística e Supply Chain.

 

Veja também: