ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Promo Caneca Natal

 

Landing Gestão de CDs


Os oito temas mais quentes da Supply Chain em 2017 e 2018

Quando se trata de novas tecnologias, o desenvolvimento normalmente ocorre de forma gradual. Porém, a necessidade de ganhar produtividade e reduzir tempos de entrega está trazendo um volume imenso de investimentos em logística, uma verdadeira corrida "armamentista" para ter os recursos mais avançados, inovar e ganhar clientes.

Veja aqui o que já está fervendo no universo da supply chain:

Pulverização dos Centros de Distribuição
As grandes Centrais de Distribuição estão sendo repensadas devido ao fenômeno do market place e pela necessidade de estar mais perto dos clientes, com entregas no mesmo dia. Postos avançados menores e mais ágeis são uma tendência. O desafio continua sendo a integração destes pontos na gestão dos estoques.

Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquinas na Supply Chain
Inteligência artificial (AI) é um tema realmente quente. São bilhões investidos em empresas de AI. Existe ainda uma curva nestas tecnologis, no gerenciamento de riscos, etc. Na maioria dos casos, essas novas funcionalidades ainda não estão totalmente operacionais e no seu melhor padrão.

Robôs autônomos móveis para o armazém
Esta é uma solução já usada pela Amazon em escala, com resultados operacionais e financeiros comprovados. Embora ainda se veja muito pouco esta utilização, não se pode mais chamar de uma tecnologia imatura ou emergente. Este efetivamente é um substitutivo para a mão de obra do armazém no futuro, o que nos leva a repensar o mercado de trabalho, a realocação destes profissionais, etc.

Uberização do transporte de cargas
Cada vez mais o embarcador está e estará conectado diretamente com os caminhões, evitando o retorno de cargas vazias.

Veículos Elétricos de carga
Não falemos por agora de veículos autônomos ou voadores. A próxima etapa é a utilização de veículos elétricos em larga escala na logística. Todas as grandes montadoras investem pesadamente na solução elétrica. A DHL acaba de anunciar que pré-encomendou 10 unidades do recém lançado caminhão elétrico da Tesla. O Walmart também disse que testará o veículo da Tesla. Caberá ao Brasil investir na infra-estrutura para estas operações.

Drones
No Brasil, cerca de metade das entregas são cargas até 2kg, o que favorece o uso de drones. Esta solução precisa driblar ainda algumas restrições, como impacto no tráfego aéreo e os dias de chuva ou vento fortes.

Blockchain e logística
A integração de toda a cadeia de suprimentos em blocos de dados criptografados gera transparência, segurança e rastreabilidade. BRF e Carrefour lançaram projeto experimental em conjunto com a IBM para rastrear informações desde a produção até as prateleiras do supermercado.

Impressão 3D de peças sobressalentes
A oportunidade de usar a impressão em 3D para imprimir peças sobressalentes é realidade- porém, nenhuma empresa faz isso em escala. Há uma série de desafios associados a fazer isso em larga escala, desafios estes que provavelmente serão superados.

Em suma, 2018 deve ser bem emocionante para a logística global, já que as tecnologias modernas serão mais e mais aproveitadas para gerar produtividade, aumentando a pontuação da experiência de entrega e criando novos fluxos de receita. Ao mesmo tempo, há a necessidade constante de ter uma supply chain ágil e sustentável.

Que a economia brasileira possa reagir para buscar um protagonismo maior neste contexto, em benefício de todos- empresas, profissionais, clientes.

 

Luís Eduardo Ribeiro

Por Luís Eduardo Ribeiro

Diretor Executivo da LELO Logística e Operações ( www.lelolog.com.br ), que oferece suporte completo de consultoria e gestão para a logística de ponta a ponta. Já conduziu projetos com foco em otimização de operação e transportes, redução de custos, terceirização com operadores logísticos e aumento do nível de serviço oferecido a clientes em empresas como DHL, Carrefour, Ponto Frio e bioMérieux. Planejou e executou a logística de alimentos para 152 bares em 17 Arenas das Olimpíadas RIO-2016. Foi eleito Profissional de Logística do Ano em 2010 - prêmio da MundoLogística.

 

Veja também: