ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
Kalmar

 

Assine Noticia


Máquinas e pessoas: os dois elementos mágicos da Logística 4.0

O grande desafio atual das operações logísticas é obter a completa visibilidade da sua cadeia de fornecimento, de fornecedores a clientes. Estima-se que 70% das empresas experimentaram pelo menos um tipo de interrupção no ano passado, de desastres naturais a falhas de fornecedores, passando por greves ou falta de motoristas de caminhão (sim, faltam motoristas de caminhão na aquecida economia norte-americana).

Fica cada vez mais claro que o sucesso de qualquer organização começa com um controle da saúde de sua Supply Chain. Como iniciar esta tarefa?

Hoje, as empresas têm mais recursos e tecnologia do que nunca para gerenciar seus processos logísticos. Então, por que um recente relatório do Business Continuity Institute afirma que dois terços deles não têm visibilidade de ponta a ponta nas cadeias de suprimentos? O controle de fornecedores, por exemplo, é necessário não apenas pelo risco de não fornecimento, mas passa também pela crescente preocupação com ocorrências de trabalho escravo, não cumprimento de leis etc. Hoje, tecnologias em Blockchain são um caminho para melhor rastreabilidade da rede de fornecedores.

Para permanecer competitivas, as empresas precisam da tecnologia, processos e sistemas para identificar onde os produtos são e redirecioná-los rapidamente em todo o mundo. Mas a tecnologia é apenas uma peça da solução. Quão útil é a visibilidade total se você não conseguir gerenciar a enorme quantidade de dados produzidos? Será importante se você receber atualizações de fornecedores em tempo real se a informação for errada? Existe uma enorme quantidade de dados disponíveis das linhas de fabricação ao chão do armazém, que podem gerar melhorias operacionais reais.

Uma melhor abordagem consiste em combinar a tecnologia certa com o capital humano para estabelecer e apoiar processos de logística efetivos. Como assim?

A cadeia de abastecimento moderna precisa de uma ferramenta “sempre ligada” avaliando o risco e servindo sugestões antes do desastre ocorrer. As pessoas, no entanto, ainda precisam se alinhar em processos e decisões, colocá-las em ação e reagir às consequências. A dependência exclusiva das tecnologias emergentes para a tomada de decisões não será a solução: as cadeias de suprimentos ainda precisam do elemento humano, talvez mais do que nunca.

Será a combinação de humanos e máquinas – não apenas máquina – que fará a diferença entre sucesso ou desagregação para a organização de agora e do futuro. Ao garantir as estratégias, técnicas, tecnologia e talentos adequados, as cadeias de fornecimento podem avançar na direção certa e promover o sucesso, mesmo quando os desastres ocorrem.

Luís Eduardo Ribeiro

Por Luís Eduardo Ribeiro

Diretor Executivo da LELO Logística e Operações ( www.lelolog.com.br ), que oferece suporte completo de consultoria e gestão para a logística de ponta a ponta. Já conduziu projetos com foco em otimização de operação e transportes, redução de custos, terceirização com operadores logísticos e aumento do nível de serviço oferecido a clientes em empresas como DHL, Carrefour, Ponto Frio e bioMérieux. Planejou e executou a logística de alimentos para 152 bares em 17 Arenas das Olimpíadas RIO-2016. Foi eleito Profissional de Logística do Ano em 2010 - prêmio da MundoLogística.

 

Veja também: