ÁREA DO ASSINANTE
Inscreva-se em nossa newsletter e fique bem informado!
TOTVS

 

Promoção Mochila


Ciência Econômica: Por que ela pode causar o sucesso ou fracasso da Logística

 
Existem duas áreas principais de economia, e ambas são críticas para a gestão da cadeia logística e de suprimentos.
 
A macroeconomia é um panorama geral. É o estudo da economia que inclui política fiscal, produto interno bruto, taxas de juros, desemprego e inflação. As decisões macroeconômicas movimentam toda a economia. O relatório de empregos do IBGE e a taxa de juros do Banco Central (SELIC) são exemplos de macroeconomia.
 
A microeconomia é focada em decisões de empresas, consumidores e mercados e inclui oferta e demanda, decisões de produção, análise de custo e preço, taxas trabalhistas e as movimentações que empresas fazem todos os dias para administrar os negócios.
 
Alinhar oferta e demanda (S&OP) é um exemplo de aplicação da microeconomia em empresas.
 
Os gestores da Supply Chain precisam mais do que nunca estar aptos a lidar com decisões macro e micro, o tempo todo, especialmente quando se analisa os drivers de custo dos fornecedores. Considere um fornecedor que precisa aumentar os preços para compensar o aumento dos custos de mão de obra. Compreender as tendências do emprego e a análise salarial associada é um elemento macroeconômico. O preço entre empresa e seu fornecedor durante as negociações de contratos é uma questão microeconômica.
 
Enfim, a economia é sem dúvida o núcleo da gestão de Supply Chain global. Aqueles profissionais de logística que não prestam atenção e se antecipam aos principais indicadores econômicos em seus próprios negócios, com seus fornecedores críticos e na demanda dos clientes, estão à mercê das forças do mercado que podem vir a ser uma surpresa desagradável.
Luís Eduardo Ribeiro

Por Luís Eduardo Ribeiro

Diretor Executivo da LELO Logística e Operações ( www.lelolog.com.br ), que oferece suporte completo de consultoria e gestão para a logística de ponta a ponta. Já conduziu projetos com foco em otimização de operação e transportes, redução de custos, terceirização com operadores logísticos e aumento do nível de serviço oferecido a clientes em empresas como DHL, Carrefour, Ponto Frio e bioMérieux. Planejou e executou a logística de alimentos para 152 bares em 17 Arenas das Olimpíadas RIO-2016. Foi eleito Profissional de Logística do Ano em 2010 - prêmio da MundoLogística.

 

Veja também: